domingo, 29 de maio de 2011

*Metabolismo de Aminoácidos


 As proteínas são macronutrientes importantes, pois fornecem os aminoácidos essenciais para diversas funções estruturais, de proteção, reguladoras e de transporte nos fluidos biológicos. As proteínas, diferentemente dos carboidratos e dos lipídios, possuem em sua composição o nitrogênio (16%) junto com enxofre e alguns minerais como fósforo, cobalto e ferro. As proteínas são formadas pelas combinações de 20 aminoácidos, sendo nove essenciais e onze não-essenciais. Quanto à sua origem, as proteínas podem ser exógenas (ingeridas pela dieta) ou endógenas (hidrólise das proteínas das células do organismo). 


Metabolismo de Aminoácidos

Como a maioria dos seres vivos não são capazes de armazenar aminoácidos ou proteínas, quando as necessidades protéicas estão satisfeitas, o excesso de aminoácido deve ser oxidado.
A oxidação dos aminoácidos não é feita por uma via única, mas há um padrão a ser seguido: primeiramente há a remoção do grupo amino e depois a oxidação da cadeia carbônica. Nos mamíferos, o grupo amino se converte em uréia e as cadeias carbônicas em compostos intermediários do metabolismo de carboidratos e lipídios.

  •  Remoção do grupo amino do aminoácido
1)    Transferência do grupo amino para o cetoglutarato, dando origem ao glutamato, que pode seguir dois caminhos: uma transaminação ou uma desaminação.
2)    Transaminação: transferência do grupo amino do glutamato para o oxaloacetato, dando origem ao aspartato.
3)    Com a desaminação do glutamato há a liberação do grupo amino como NH3 (amônia), que posteriormente se converte em NH4+(íon amônio).

Conclusão: o grupo amino da maioria dos aminoácidos resulta em dois compostos: NH4+ e aspartato, que são precursores da uréia.

Síntese da uréia

A síntese começa na matriz da mitocôndria, onde há a formação de carbamoil-fosfato a partir de amônio e bicarbonato, consumindo duas moléculas de ATP. As reações a seguir fazem parte do ciclo da uréia: na mitocôndria, o carbamoil- fosfato condensa-se com ornitina, formando citrulina, que é transportada para o citossol, onde reage com aspartato, dando origem ao arginino-succinato, que se decompõe em arginina e fumarato. A arginina é hidrolizada e produz uréia e ornitina.
Um ser humano com uma dieta equilibrada excreta cerca de 30g de uréia por dia.

 
  • Degradação da cadeia carbônica dos aminoácidos
As cadeias carbônicas são oxidadas por vias próprias, mas todas se dirigem para a produção de alguns compostos como piruvato, acetil-CoA, oxaloacetato, α cetoglutarato, succinil-CoA e fumarato.
Os aminoácidos que produzem piruvato ou intermediários do ciclo de Krebs são chamados glicogênicos. Os aminoácidos que produzem corpos cetônicos são chamados cetogênicos. Os aminoácidos que produzem tanto acetil-CoA quanto intermediários do ciclo de Krebs são chamados glicocetogênicos.




Bibliografia:
Marzzoco, Anita
Bioquímica Básica/ Anita Marzzoco, Bayardo Baptista Torres. 3.ed.- Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007


http://www.ufpe.br/dbioq/portalbq04/metabolismo_de_aminoacidos.htm  Acesso em 24/05/2011


http://www.daanvanalten.nl/quimica/module12/par01312cicloureia.html  Acesso em 28/05/2011


http://www.depaginas.com.mx/fotosde_proteina.htm  Acesso em 28/05/2011


Postado por: Gabriela Louise

Nenhum comentário:

Postar um comentário